O Arraial de Nossa Senhora D’Ajuda guarda indescritíveis maravilhas naturais, preserva muito de sua épica história e se transformou em um destino turístico cosmopolita, universal. Recebe gentes de todos os cantos do Brasil, da América Latina e também dos continentes europeu, norteamericano, além de países como China, Japão e Israel. Oferece ótimas opções de hospedagem, magníficos passeios, gastronomia diversificada, inúmeras oportunidades de compras e uma noite fervilhante. Em meio a tudo isso, o maior dos atrativos é a grandiosa natureza, a qual proporciona aos turistas o máximo de sossego e paz. 

Reportagem: Assad Abrahão
Fotos: Jean Yves Donnard

Como uma benção, por muitas décadas, talvez mais de 200 anos, uma crença sobrevive em todo litoral sul da Bahia: quem bebe a água da fonte milagrosa de Nossa Senhora D’Ajuda ou nela se banha nunca mais deixa de voltar ao paradisíaco Arraial D’Ajuda, terra abençoada pela mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Distrito de Porto Seguro, o Arraial nasceu, em 1549, junto com a construção, realizada pelas mãos de padres jesuítas, de uma capela em honra a Nossa Senhora. Durante as obras, esses padres encontraram uma fonte e a consideraram sagrada.

“Estando dois padres em Arraial D’Ajuda, fundando uma Casa, e não tendo água que fosse boa pra beber, desejando ali uma fonte, quis Deus que neste caminho caísse um monte e, com o abrir da terra, se abriu a mais formosa fonte que há naquela terra. E porque a Casa que fundavam fosse de invocação de Nossa Senhora, se chama fonte da mesma Senhora”.

O fato é que a notícia dos milagres de Nossa Senhora D’Ajuda correu mundo e atraiu gentes de todos os cantos do Brasil. Os jesuítas, então, passaram a abrir as portas da capela para abrigar os romeiros e, ao redor do humilde e singelo templo, gradativamente, surgiram as primeiras edificações do lugar.

A partir do dia 8 de agosto de 1556, a imagem de Nossa Senhora D’Ajuda passou a ser venerada. Todos os anos, nos referidos dia e mês, acontece uma grande romaria no santuário. Essa imagem é parte do acervo da atual igreja de Nossa Senhora D’Ajuda, o mais antigo símbolo do Arraial. A igreja foi reconstruída em 1772 e ainda mantém a mesma arquitetura.

Indescritíveis maravilhas naturais

Mesmo após inimagináveis transformações na paisagem em 509 anos, contados desde que os portugueses aportaram na foz do Rio Buranhém ou Rio do Peixe ou ainda Porto Seguro — o qual separa a cidade de seu mais charmoso distrito —, Arraial D’Ajuda guarda e preserva indescritíveis maravilhas naturais.

Dentre elas, tem-se a bela vista panorâmica que se abre deslumbrante atrás da igrejinha, com o iluminado mar azul-esverdeado desenhando praias de areias alvas protegidas por vasta vegetação de coqueirais, restingas e algumas porções de Mata Atlântica, além de exuberantes e coloridas falésias.

A melhor maneira de descrever as lindas Praias que banham o Arraial de Nossa Senhora D’Ajuda é enumerar as suas principais características. O resto da viagem, caro leitor, fica por conta das espetaculares fotos publicadas nesta reportagem.

Para desbravar essas praias, comece pela Ponta do Apaga-Fogo na barra do Rio Buranhém: seja na maré alta ou na baixa, o mar é perfeito para o banho. Vastas piscinas naturais surgem na maré vazante, uma beleza para a prática do mergulho livre. Modalidades de esportes náuticos, como o windsurf, caiaque e jet ski também ganham a praia. Na sequência, surge Araçaípe e suas águas calmas retidas em piscinas naturais em razão da barreira formada por recifes de corais. A Praia do Delegado é decorada por vários barcos de pescadores e é a preferida pelos nativos do Arraial. A Praia D’Ajuda é perfeita para boas caminhadas e para banhos em mar muito calmo. Em sua orla está o grandioso Arraial D’Ajuda Eco Parque.

Com largas faixas de areia e as mais incríveis e transparentes piscinas naturais protegidas pelos recifes, a Praia do Mucugê tem um acesso muito facilitado pela privilegiada localização.

A Praia do Parracho reúne muitas das mesmas características das anteriores, é ótima para esportes náuticos e ainda é famosa por ser ponto de grandes festas, shows e eventos.

Uma enseada cuidadosamente lapidada pela natureza forma a estonteante Praia da Pitinga, onde o mar é mais agitado na maré alta e rico em piscinas na maré vazante. As águas rasas caracterizam a Praia da Lagoa Azul, famosa por permitir a prática de diferentes esportes, como futebol, vôlei, caiaque, jet ski, banana jet e vôo livre de parapente, asa delta e ultra leve.

Mais selvagem, quase deserta, com mar revolto e transparente e com trechos protegidos e intocados de mata nativa e emoldurada por magníficas falésias, a Praia do Taípe encanta quem tem o privilégio de pisar nas suas areias alvas. Como se não bastasse tantas belezas, nela também está, em meio à vegetação de restinga e à sombra dos coqueirais, a Lagoa Azul. Esta é famosa pelas águas medicinais, consideradas benéficas à pele – dizem, na região, que existem estudos os quais comprovam tal fato.

A foz do Rio da Barra descortina a linda praia de mesmo nome. Um grande manguezal à margem do rio, uma enseada de águas calmas, vastos coqueirais e o mar esculpindo as falésias: simplesmente um recanto encantado.

Passeios imperdíveis

Outro passeio interessante é pegar uma escuna e conhecer o Recife de Fora, uma formação de recifes que fica a cerca de 50 minutos da costa. O nome oficial é Parque Municipal Marinho do Recife de Fora, um santuário imerso a seis metros de profundidade. Com diversidade biológica semelhante à de Abrolhos, abriga 16 das 18 espécies de corais existentes no mundo, como o octoral, o coral-cérebro e o coral de fogo. Nesse parque, sobrevive grande diversidade de peixes como o paru, peixe-frade, moréia, arraia, o budião-papagaio, além de moluscos e quelônios como a tartaruga-verde e a tartaruga-de-pente. Na maré baixa, é possível desembarcar para caminhar pelos arrecifes e pelas piscinas naturais e também mergulhar devidamente equipado com óculos de mergulho. É essencial levar um calçado leve, de preferência impermeável ou que possa ser molhado a fim de facilitar as caminhadas. Só é permitido aos turistas visitar uma parte dos arrecifes, já que o restante da área é de preservação permanente.

A Ilha dos Aquários, onde o acesso é feito por meio de balsas, merece ser conhecida e apreciada. Nela, é possível contemplar aquários que abrigam tubarões e diferentes espécies marinhas. Para os mais ousados, há ainda a opção da pesca ao marlin em alto mar. Os entendidos no assunto afirmam que a costa do Arraial D’Ajuda é um dos melhores trechos do litoral para a captura desse corajoso peixe.

Outro ótimo programa é subir de barco o Rio Buranhém e se extasiar com o pôr do sol dourando os manguezais e a mata preservada.

Mais um grande atrativo é o Arraial D’Ajuda Eco Parque, localizado nas proximidades do centro da vila. O parque preserva grande área de vegetação nativa e oferece várias atrações, como escorregadores, descida de bóias, um “rio” artificial e piscina com ondas. O leque de diversões se completa com as opções dos esportes de aventura, a saber: tirolesa, arvorismo, escalada e rapel.

Também vale a pena conhecer a Aldéia Velha — considerada por muitos especialistas como a aldeia mais antiga da etnia pataxó. Nesta, é possivel fazer caminhada pela mata preservada e conhecer os hábitos de caça e as armadilhas dos indígenas. Eles, aliás, recebem os turistas apresentando danças tradicionais e mostram suas ervas e seus remédios naturais, além das especialidades culinárias dos pataxós.

Arraial cosmopolita

Do final do anos 60, época do “redescobrimento” do Arraial pela geração hippie, até os dias de hoje em pleno o ano de 2009, muita coisa mudou. Um dos símbolos dessa transformação foi a gigantesca ampliação do eixo de atrativos turísticos que saltou da acanhada, porém legendária “Bróduei” — a pequenina travessa onde tudo acontecia e por isso ganhou o apelido derivado da famosa Brodway de Nova York — para a Rua do Mucugê ou o Caminho do Mar, a qual, atualmente, tem ambição de se tornar a “rua mais charmosa do Brasil”.

A vila se tornou um lugar cosmopolita, morada de muita gente vinda de diferentes cantos do Brasil, principalmente de grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador e Belo Horizonte. A legião de estrangeiros também é muito significativa, destaque para os hermanos argentinos e os que vieram do continente europeu, como italianos, espanhóis, portugueses, franceses e holandeses.

Muitos desses imigrantes se estabeleceram profissionalmente, abrindo negócios como pousadas, restaurantes, cafeterias, agências de turismo, empresas de ecoturismo e turismo de aventura, lojas, boutiques e ateliês de artes plásticas, moda e fotografia, dentre outros.

Esse encontro entre os forasteiros, brasileiros e estrangeiros, com os nativos do lugar acabou por gerar para estes oportunidades de trabalho e de ascensão profissional. Em suma: o turismo é hoje, essencialmente, a razão de viver dos habitantes de Arraial D’Ajuda. Outro aspecto importante é a intensa diversidade, provocada pela mistura entre as diferentes culturas e que se reflete na música, nas artes e no artesanato e na gastronomia, principalmente. Também é muito comum de se ouvir no Arraial pessoas se comunicando em outros idiomas, notadamente em inglês e espanhol. Porém, também se ouve frequentemente o italiano, o francês e até o alemão.

Hospedagem de qualidade

Os deslumbrantes 20 quilômetros de praias e as outras tantas belezas naturais justificam plenamente todos os amplos e diversos arcabouços de atrativos turísticos que estão ao dispor do turista de qualquer idade no Arraial de Nossa Senhora D’Ajuda.

A infraestrutura de hospedagem é por isso mesmo ampla e diversificada. De um magnífico resort, passando pelos flats, condomínios até pequenas, simples e singelas pousadas. São mais de 160 opções.

O diferencial desses meios de hospedagem é a quase obrigatoriedade de se receber bem e com qualidade o turista oferecendo-lhe conforto, tranquilidade, ótimas opções de alimentação e muito charme. Quem exige requinte, luxo e sofisticação certamente vai encontrar opções com sobras.

As pousadas, em sua maioria, oferecem itens como TV, ar-condicionado, frigobar, telefone, internet sem fio e café da manhã farto e variado. Algumas estão à beira-mar, bem junto à praia, outras no alto das falésias — com maravilhosa vista panorâmica — e ainda há as que estão junto ao tecido urbano como na Rua do Mucugê ou na Rua das Balsas, por exemplo.

O sofisticado Arraial D’Ajuda Eco Resort, encravado na Ponta do Apaga Fogo, oferta quarto tipos de acomodações, todas muito confortáveis e bem equipados: o apartamento standart, o apartamento especial, a suíte e a suíte máster. Na área interna do resort, o hóspede tem as opções da academia, da área de relaxamento, dos bares, dos restaurantes, dos centros de estética, da sauna, do cinema, do salão de jogos e da quadra de tênis.

Gastronomia diversificada

A gastronomia no Arraial D’Ajuda, definitivamente, é um caso à parte, sendo que a maior parte de restaurantes, bares, lanchonetes, cafeterias e bitrôs está concentrada na Rua do Mucugê. As opções são muitas, diversificadas, e os pratos são preparados para agradar aos mais exigentes paladares. Da culinária típica baiana é fácil encontrar delícias, como bobó de camarão, moqueca de badejo, filé de badejo ao molho de camarão, camarão na moranga e lagosta grelhada. Além disso, observa-se que a cozinha italiana é muito bem representada pelas várias pizzarias e casas especializadas em massas, destaque para aquelas que oferecem pratos derivados de massas caseiras e preparadas no forno a lenha. Não se pode esquecer das creperias com os mais diferentes e até inusitados tipos de crepes.

A gastronomia asiática tem o seu espaço com as cozinhas tailandesa, vietnamita, chinesa e japonesa. Os sushis e sashimis fazem muito sucesso entre os turistas, assim como a cozinha árabe que vai muito além das esfihas e quibes. O bacalhau e outras delícias da cozinha portuguesa, a paella e pratos típicos espanhóis, quase todas as possibilidades da cozinha mexicana e as carnes tenras importadas da Argentina como o Bife de Chorizo assado na brasa.

Quem prefere comer o tradicional prato feito (PF) tem como endereço a Praça São Braz. Pratos com opções de carne, peixe, camarão e frango saem rapidamente, são muito bem servidos e saborosos. As opções em comida a quilo também são interessantes e oferecem grande variedade entre saladas, legumes, carnes, peixe e frango.

Já nas barracas de praia, que estão por toda a orla, o cardápio é variadíssimo: petiscos, como camarão VG ao alho e óleo, camarão MP à milanesa, lula à doré, polvo ao vinagrete, peroá, manjuba, carne de sol com aipim, dentre outros. Há, ainda, pratos especiais, como camarão gratinado, moranga com camarões grandes, caldeirada de frutos do mar e peixe assado na telha.

Várias opções de compras

Se há algo que comprova definitivamente o ar cosmopolita de Arraial D’Ajuda são as opções de compras. Na região, encontra-se dos artigos mais populares aos mais sofisticados, de obras de arte ao artesanato indígena, do mais simples souvenir aos artigos religiosos, das camisetas com estampas do Arraial às roupas de grifes nacionais e internacionais.

Depois de adentrar as lojinhas em frente à Igreja de Nossa Senhora D’Ajuda, passar pela “Bróduei”e pela feira de artesanato da Praça São Braz, o próximo passo é descer os cerca de 500 metros da Rua do Mucugê.

Se houver mesmo disposição, tempo (e dinheiro, é claro!) para as compras, é fácil escolher, dentre infindáveis artigos, mimos, como um berimbau, uma imagem de Nossa Senhora D’Ajuda, uma réplica da igrejinha, utensílios e artesanato produzidos pelos índios pataxós, cangas, roupas de banho de todos os tipos, óculos de sol — inclusive os modelos das grifes como a Vuarnet —, acessórios, chapéus, bolsas, sapatos, bijouterias e joias. Lojas e boutiques estão antenadas com as últimas tendências da moda e oferecem roupas de conhecidas grifes como Ave Maria, Diesel, Salinas, Blue Man, Cia. Marítima,
Cantão, Farm, Fórum e Richards. A moda alternativa, a casual e a surfwear estão também estampadas nas vitrines do Arraial.

Os bens de consumo são, enfim, originais, criativos e definitivamente globalizados, universais.


Noite iluminada e agitada

A partir das 18 horas, as luzes se acendem para iluminar a noite do Arraial D’Ajuda. O vai e vem dos turistas começa pela “Bróduei”, passa pela pracinha de São Braz e invade a Rua do Mucugê. Nesta, “a rua mais charmosa do Brasil”, as vitrines das lojas são multicoloridas e iluminadas. Artistas de rua se apresentam nas mais inusitadas performances e pinturas e escultores mostram suas obras.

Os bares, os restaurantes e as cafeterias fervilham de gente. Nesses recintos, a música ao vivo (invariavelmente de qualidade com bons músicos e boas bandas) dá o tom da celebração noturna e os ritmos são variados: MPB e todas as vertentes do samba, bossa nova, jazz, blues e reggae. Todavia, o que atrai mais pessoas é o tradicional forró. Os grupos equipados com sanfona, viola, zabumba e triângulo tocam em diferentes pontos da vila — sendo que o local mais famoso é o pequeno teatro de arena o qual fica em frente ao shopping —  e casais de todas as faixas de idade se esbaldam até o dia raiar.

A noite não para no Arraial: festas de todos os gêneros, do axé à música eletrônica, são organizadas em bares à beira mar, em pousadas e nas barracas de praia. É por isso que para muitos o outro dia só começa bem mais tarde à beira da praia.

Diante de tantos atrativos e tamanhos encantos, é preciso conhecer o Arraial abençoado por Nossa Senhora D’Ajuda. Aliás, faz muito bem para alma entrar na igrejinha para momentos reflexivos e de oração. A grandiosa natureza desse lugar também merece ser respeitada e, fundamentalmente, ser protegida. Quem vai ao Arraial, mesmo com intenção de visitá-lo uma só vez, sempre volta. Alguns não só voltam como ficam para sempre no encantado Arraial D’Ajuda.