foto: Jomar Bragança

Numa parceria entre o fotógrafo Jomar Bragança e a Veredas Editora e Jornalismo Especializado — que edita esta Revista Sagarana — está em fase inicial de produção um ambicioso e ousado livro sobre Belo Horizonte. Trata-se de uma proposta diferenciada pelo ineditismo: cada exemplar do livro vai ser como uma obra rara, como se fosse uma peça de colecionador, pois o projeto gráfico vai privilegiar a máxima qualidade permitida pelos mais sofisticados processos de produção gráfica. Todas as possibilidades oferecidas pela indústria gráfica serão exploradas para que se possa atingir no produto final um modelo de excelência no que se refere a luxo e requinte no acabamento.

O projeto editorial desta obra reúne informações absolutamente qualificadas sobre a capital de todos os mineiros e as mais belas imagens do vasto universo que abarca esta metrópole, cujo objetivo é emocionar profundamente o leitor, além de instigá-lo com os mais inusitados ângulos da vida cotidiana e de tudo que se ergue nos limites do mais Belo Horizonte.

Em torno de mais 250 fotos, lapida-se nos mínimos detalhes um texto ágil e dinâmico, de caráter essencialmente jornalístico, de fácil leitura, porém rigoroso no estilo e no alto padrão informativo — com versões em inglês e em espanhol.

Serão desvelados temas como patrimônio histórico, artístico e arquitetônico; a efervescência cultural; os atrativos turísticos e as mais diversificadas paisagens, além de ensaios sobre a BH do futuro, dentre outros temas de ampla abrangência.

Parceria de peso

Neste livro, ainda sem título definido, juntam-se as expertises do consagrado e premiado fotógrafo Jomar Bragança com a Veredas Editora e Jornalismo Especializado.

Jomar Bragança

Jomar é graduado em arquitetura pela UFMG (1998) e atua como fotógrafo, editor e design gráfico há mais de 25 anos nos mercados nacional e internacional.

Ao longo de sua carreira, conquistou uma qualidade de olhar que diferencia seus trabalhos, sejam autorais ou comerciais. Proprietário da DPI Editora, ele é responsável pela publicação dos livros
Interiores I, II, III e IV (2002 -2011); Garden Hill Arquitetura (2006);
Automóveis Clássicos em Minas Gerais (2008).

Foi fotógrafo e editor de fotografia dos seguintes livros: Lojas – Arquitetura, APCultural (1992); Arquitetura Vertical, AP Cultural (1992); Raffaello Berti Arquiteto – Projeto Memória, AP Cultural (2000). Atou como fotógrafo dos livros: Leopoldo Martins – Esculturas (2009)
e Luis Carlos Orsini – Paisagismo (2008); Fotógrafo e editor de fotografia da revista AP Arquitetura (1994 a 1997).

Além do mais, foi fotógrafo oficial dos eventos Casa Cor Minas Gerais (1995 a 2010); São Paulo (2001 a 2003); Rio de Janeiro (2001 e 2002); Bahia (2000); Goiás (2001) e Mato Grosso ( 2000, 2001, 2002 e 2004).

Jomar Bragança é colaborador da revista inglesa Wallpaper e das seguintes revistas nacionais: Casa Vogue, Projeto, Arquitetura e Construção, Casa Cláudia, Arquitetura e Urbanismo ArqDesign e esta Revista Sagarana
Jomar também se consagragou em importantes exposições: Imagens do Garimpo, projeto Itinerância, Instituto Nacional da Fotografia, Funarte, Itabira, MG (1983); Paisagem Urbana, sala IEPHA, Belo Horizonte, MG (1985); Mostra Multigrade, Belo Horizonte, MG (1999); Mostra Click Artefacto, São Paulo (2007);Arquitetura e Liberdade, Milão, Itália (2008); Diálogos nos Tempos da Fotografia, Casa do Baile, Belo Horizonte, MG (2008) e NATUR – Galeria AM – Belo Horizonte MG (2010).

Veredas Editora

Já a Veredas Editora tem como principal referência esta Revista Sagarana — Turismo e Cultura em Minas Gerais — e obras mais recentes de grande sucesso e repercussão no Brasil e no exterior como os livros “Imagens de Minas” e “As muitas Minas e a vastidão dos Gerais” — cuja segunda edição, revista e ampliada, está em produção. Ainda neste ano de 2012 será lançado o livro “Congado Nossa Senhora do Rosário Retiro”, produzido numa parceria com Andréa Rocha Edições e sob encomenda do Senar — Sistema Faemg (Federação da Agricultura de Minas Gerais).

Esta parceria, portanto, está determinada a presentear Belo Horizonte com uma obra de arte em forma de livro, que seja uma máxima e absoluta referência em sofisticação, luxo e requinte — cujo alvo é o público essencialmente formador de opinião.