No ano em que Tiradentes completa três séculos, o Centro Cultural Sesiminas Yves Alves (CCSYA) também faz aniversário.

São duas décadas em funcionamento, 200 exposições, 600 sessões de cinema e 450 espetáculos oferecidos ao público. Uma trajetória consolidada que confere ao espaço um importante papel na dinâmica cultural da cidade.
Criado em 1998, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o CCSYA ocupa um belo casarão colonial do centro histórico. Com uma ampla fachada original do século XVIII, a construção que se estende por 870 m2, conta com um teatro de 120 lugares, um foyer multiuso, três galerias de arte e um grande jardim que abriga vivências artísticas ao ar livre.

Desde 2009, é administrado pelo Sistema Fiemg/Sesi via comodato com a Prefeitura Municipal de Tiradentes. A gerente do espaço, Gláucia Pereira Vitor, explica que a unidade foi pensada para funcionar como um difusor do conhecimento e da produção cultural na região da Zona da Mata e Campo das Vertentes. “Nosso objetivo é promover a melhoria da qualidade de vida do trabalhador da indústria e dos seus familiares, assim como para a comunidade em geral, por meio do acesso e práticas artísticas e culturais”, diz.

Além de oferecer uma programação própria — com sessões semanais de teatro e cinema, exposições, oficinas e palestras — o CCSYA participa ativamente do calendário de eventos da cidade. Anualmente, dez festivais utilizam as instalações do centro cultural para sediar suas atividades. “Este ano já acolhemos a Mostra de Cinema de Tiradentes e os festivais Foto em Pauta, Tiradentes em Cena e Trem Bier. Para os próximos meses, teremos o Festival Cultura e Gastronomia, o Artes Vertentes, o Artes e Tradições, a Semana Criativa, o Fórum do Amanhã e o Duo Jazz”, enumera o assistente de produção Alberto Lopes.

Público de 47 mil pessoas

Ainda como parte da programação de 2018, o CCSYA receberá a Banda e Orquestra Ramalho e a exposição coletiva do projeto Rota dos Ateliers, em comemoração aos 300 anos de Tiradentes. De acordo com Lopes, até o fim do ano, deverão ser realizadas 158 atividades, entre exposições, espetáculos musicais e teatrais, sessões de cinema, workshops e palestras. A expectativa é receber um público total de aproximadamente 47 mil pessoas —quase 60% a mais do que em 2017.

Para 2019, estão sendo elaborados dois editais públicos de ocupação que irão contemplar em torno de oito projetos expositivos e 20 espetáculos. Os editais serão lançados já no próximo semestre.