O Biocentro Germinar, em Ouro Branco, sedia um bem-sucedido programa que tem como base os princípios da educação ambiental. Destaca-se, dentro da infraestrutura do lugar, a incrível Praça dos Biomas.

Prédio do Biocentro Germinar.

Em uma área preservada, de 48 hectares, localizada no município de Ouro Branco, um projeto ambiental de impressionante infraestrutura domina a bela paisagem emoldurada por um lago e pela Serra de Ouro Branco. Trata-se do Centro de Educação Ambiental Biocentro, local onde é realizado o Programa Gerdau Germinar — um trabalho desenvolvido pelo Instituto Gerdau e pela área de Meio Ambiente da companhia.

Uma área de 48 hectares.

Criado no ano de 1990, por demanda espontânea das comunidades que vivem na região, como informa o Gerdau Germinar, o programa “tem como objetivo contribuir para a sensibilização ambiental e fortalecer a prática da sustentabilidade nas comunidades em que a empresa está presente, por meio da realização de atividades de educação ambiental que incentivam as condutas responsáveis e participativas”.

O bonito paisagismo.

 

Detalhe da arrojada arquitetura.

Programas desenvolvidos

Trilha pelo bioma Mata Atlântica.

Em 29 anos de atuação constante, as ações do programa já beneficiaram mais de 290 mil pessoas. Das principais atividades do Gerdau Germinar, destacam-se as visitas técnicas de alunos das escolas da região ao Biocentro; os projetos socioambientais nas escolas e comunidades; a semana especial; o laboratório ambiental; o diálogo ambiental; o monitoramento participativo das águas; e o prêmio Gerdau Germinar.

O objetivo das visitas dos alunos, como esclarece o Biocentro, “é proporcionar situações de aprendizado sobre a temática ambiental, abordando os temas bioma brasileiro, educação patrimonial e ecologia”. Os projetos socioambientais tratam de educação alimentar, cidadania e ecologia. A semana especial é dedicada aos alunos com necessidades especiais na prática da educação ambiental; o laboratório ambiental trata da capacitação para educadores e líderes das comunidades; o diálogo ambiental propõe intervenções nas escolas, “visando à sensibilização de pais e educadores sobre a questão ambiental”. Os temas trabalhados são arqueologia, educação ambiental e patrimonial, consumo consciente e biodiversidade. Um projeto educativo desenvolvido em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é a base do monitoramento participativo das águas. Realizado pelos alunos ao longo do ano letivo, “visa ao monitoramento físico, químico e biológico de corpos d’água próximos às escolas”. Já o Prêmio Gerdau Germinar promove concursos de projetos ambientais desenvolvidos pelas escolas da região.

Benefícios

Mais de 140 mil visitas técnicas.

Além das visitas técnicas, a iniciativa oferece ainda oportunidades de curso para educadores, eventos, palestras, oficinas e projetos socioambientais nas escolas, abrangendo alunos e professores das redes de ensino das regiões onde é realizado.

O Germinar avalia que os principais benefícios alcançados pelo programa estão relacionados com o “desenvolvimento da consciência ambiental nas crianças, jovens e adultos das comunidades do entorno da Empresa”, na capacitação de professores e na “promoção da preservação e conservação da biodiversidade, dos recursos naturais e históricos da região com o desenvolvimento de pesquisas científicas e gestão de Unidade de Conservação”.

Capacitação dos professores, prioridade.

Os números do programa também impressionam: desde a inauguração do Biocentro, já houve 140 mil visitas técnicas de alunos; 106 mil eventos e parcerias realizados e ainda mais de 13, 5 mil projetos socioambientais nas escolas e comunidades.

É preciso destacar uma área que existe dentro do Biocentro: a espetacular Praça dos Biomas, lugar que todos podem conhecer de perto, uma simplesmente incrível representação dos mais importantes ecossistemas brasileiros: Cerrado, Campos Rupestres, Mata Atlântica, Restinga e Caatinga.

A impressionante Praça dos Biomas.