O outro
lado da montanha

O outro lado da montanha — fotografia de José Luiz Pederneiras — busca debater a relação muito próxima entre paisagem e natureza. O leitor apreende a paisagem de modo singular, a partir de uma percepção que é subjetiva. No entanto, a natureza em cada imagem está presente, contingente, impregnada das diversas camadas transmutadas por meio do tempo. O conjunto de imagens constrói uma gramática própria de fruição, na qual há lugar para paisagens de natureza ilusória.

Nas lentes de José Luiz Pederneiras, a materialidade das fotografias expõe um relato contundente, registra a marca das máquinas sobre as montanhas e desenha novos horizontes no relevo das serras.  O registro dessa nova realidade imprime imagens fortes, quase trágicas, entretanto, elas emanam uma beleza pictórica efêmera, carregada de recordações do passado. A tarefa de transformar essa realidade em arte é, de certo modo, o desafio de restituir vitalidade à natureza esvaziada.

A narrativa da exposição propõe um caminho de ida e volta. Vai com a montanha, horizonte sinuoso de Minas Gerais. Percorre um pequeno inventário de imagens sobre uma nova topografia, nas regiões de intensa atividade extrativista, e volta com o mar, horizonte aberto.

A construção das fotografias se deu ao longo de alguns anos, no constante processo de amadurecimento da correlação das paisagens — mar e montanha —, e de como o homem faz uso de ambas.